Antisuspeito

3
19:58
Antisuspeito


Nessa entrância extraordinária
Perdida no aminoácido.
Super-homem sintético é pálido
Como semblante de luz presidiária.

Psicose pseudo quaternária
De uma infância entregue ao revertéreo.
Rádio, tônico, um reboco etéreo...
Psicodélico de proeza literária.

O anti-higiênico mercurocromo
Ab-roga o sub-reino de um gomo...
Aquém de um radical sonhar.

Nas sutilezas de um raio gama.
A luz que cerceia a raça-humana
Apaga quando deixo de pensar...




GREDILHA, marcio.

Sobre o autor

Estudante, blogueiro, crítico e, nas horas vagas, aprendiz de poeta.

3 comentários :

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Soneto cheio de mistério,cheio de vida. ´´ A luz se apaga sempre que deixamos de pensar´´ . Parabéns !

    BEIJOS!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir