Morte ou Destino

12
06:52
Morte ou Destino


Por que vens sob a forma de descanso
Com seu hálito frio e o gesto rápido?
Anda a espreitar o ambiente meio inválido
Arranca todo sorriso com esse teu ranço.

Por que vens com esse teu cachimbo árido
Nos roubar a hora que ao tempo lanço?
Na incerteza de teu beijo às vezes canso
De tão rouco amor em teu olhar pálido.

Por que vens assim em silêncio por fama?
Jamais poderei requerer-te a cama.
Pois da vida restou-me um estar sem eira...

Por invenções que agora esqueço
Tu vens assim porque assim mereço
Por mais alvar me encontro a beira...


GREDILHA,marcio.

Estrelando soneto
Technorati Profile

Sobre o autor

Estudante, blogueiro, crítico e, nas horas vagas, aprendiz de poeta.

12 comentários :

  1. Morte ou destino?

    bonito.

    voce sabe dizer se a poentinha esta doente?
    Ela nunca mais escreveu.

    saudações

    o poeta morto

    ResponderExcluir
  2. Menino, adorei o seu blog!
    Parabéns!
    (e obrigada pela visita... Apareça sempre!)

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. A morte é um tema muito profundo e você simplificou de uma forma bem poetica que eu achei simplesmente
    lindo.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Voltei pra dizer que visitei seu
    blog de sonetos e me encantei.
    Seus sonetos são belíssimos!
    ADOREIIIIIIIIIIIIIIIIII!!!!!!!!

    BEIJOSSSSSSSSSSSSSSSSSS!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Voltei pra dizer que visitei seu
    blog de sonetos e me encantei.
    Seus sonetos são belíssimos!
    ADOREIIIIIIIIIIIIIIIIII!!!!!!!!

    BEIJOSSSSSSSSSSSSSSSSSS!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Marcio, muito obrigada por vc ter ido lá na Rosa esclarecer! Fique tranquilo, em momento algum eu disse que a tal terrorista era da sua família. Como vc disse, pode ter sido até mesmo um homem fazendo brincadeiras de mau gosto. Fiquei assustada com a demora da resposta, e isso me fez deletar várias coisas, e realmente a pessoa parou de fazer brincadeiras. Mas agora que vc esclareceu está melhor ainda.

    Não tenho deixado de vir aqui, nem no novo blog de sonetos, mas não deixo comentários, pq já encontrei aqui um pessoa com o nome igual ao que apareceu lá no meu blog com coisas estranhas.

    Por favor, queira voltar lá para ler o comentário de agradecimento que deixei em resposta, e para me dar sua autorização para fazer um esclarecimento público numa postagem, e um alerta para todos os blogueiros, visto que isso já aconteceu em outros blog!

    Uma chuva de pétalas de cristal!!! E parabéns pelo novo blog!!!

    ResponderExcluir
  7. Esse seria o outro blog? Eu já o tenho add, é q pensei q vc tinha feito mais um... Desculpa.

    Lindo o q escreveste, fiquei aqui a matutar, parece um romance, onde a morte seria o amor platonico, o qual não se pode tocar, mas q ele sempre chega sem avisar e em silêncio... Será q viajei nas palavras? o.O

    Beijos Marcio^^

    ResponderExcluir
  8. Poeta de rua, saudações da poetinha.

    ResponderExcluir
  9. Olá Márcio - descobri teu nome através dos comentários dos outros blogger's acima! Parabéns pelos textos ! Seu blog está nos meus links :) Beijos ;*

    ResponderExcluir
  10. Lindo soneto!

    Que primasia...
    A lucidez é o sol poente.

    A morte é inconseqüênte.

    Abraços poeta.

    ResponderExcluir
  11. ok! se virar livro, dedico a você ;D

    ResponderExcluir
  12. intiresno muito, obrigado

    ResponderExcluir